quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Conexão Dança Natal


No dia 03 de setembro de 2011 foi aberto oficialmente o projeto Palco Gira Dança, e como início da programação cultural foi realizado o Conexão Dança Natal – Encontro dos Diretores de Grupos e Companhias de Dança de Natal, onde tivemos a presença dos seguintes representantes, Anízia Marques e Maurício Motta da Sílabas Cia de Dança, João Alexandre da Mobilidade Cia de Dança, Francisco Júnior e Edeilson Matias da Domínio Cia de Dança; Maésia Mendes do Balé Municipal de Natal; Ana Cláudia Vianna e Daniel Torres da Nammu Cia de Dança; Álvaro Dantas, Anderson Leão, Roberto Morais e Danm Silva da Companhia Gira Dança.


Anderson Leão diretor artístico da companhia Gira Dança abriu o debate explicando os objetivos do encontro e falando das impressões que se tem enquanto representante de entidade artística e do cenário da dança nos últimos anos e principalmente na produção da dança durante o ano de 2011. 
Vejam alguns dos pontos que foram propostas e discutidos diante dos diretores:
       - Reflexão: “Como se é visto a dança na cidade do Natal?”;
- Procurar estratégias de como  “popularizar” a dança na cidade e estado, afim de fomentar público,
atingir áreas não contempladas;
- Reivindicar os editais, para que, sejam julgados por pessoas da área;
Trabalhar em projetos dentro de uma coletividade de grupos;Fazer parceria com a IFRN na área de
produção cultural, para poder explicar como funciona a produção de dança, mstrando sua
realidade e especificidades.
-  Ampliar os espaços culturais em bairros, desenvolver ações em galpões espalhados na cidade com
espetáculos, oficinas...
 Promover reuniões pequenas e informais, por grupos que estejam mais próximos, acredita que pode
funcionar.
- Pensar em trabalhos que atinjam todos os públicos, não só destinado a apenas uma classe.


                Ações para os próximos encontros:
              -      Reunião com alunos do IFRN (data à definir)
       -  Reunião com representantes dos órgãos públicos

Outubro tem Palco Gira Dança!


Assistam o vídeo com a programação de outubro do Palco Gira Dança!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Programação e todas as informações do Palco Gira Dança, edição de Outubro

Projeto Palco Gira Dança

Criado com a proposta de trazer para a cidade um diferencial na propagação da dança e seus meios, o projeto “Palco Gira Dança” tem como objetivo oferecer a comunidade local uma programação de dança e
outras linguagens cênicas com apresentações da Companhia e grupos convidados, oficinas, discussões e
palestras que incentivarão a prática artística da dança e ainda visarão fortalecer as relações interpessoais entre
os participantes, abordando dentro de uma metodologia desenvolvida em conjunto com essas atividades,
temas como a Diversidade do Corpo na Dança.

O projeto Palco Gira Dança terá duração de três meses sendo executado mensalmente levando-se em
conta toda logística empregada para sua realização, por consequência, dando continuidade ao Circuito
Cultural Ribeira, trazendo à esse bairro histórico uma alternativa de programação gratuita que fomente a arte,
dando ênfase a seu potencial na propagação cultural na cidade do Natal.

Programação de Outubro

Sábado 01/10 | Oficina


16h-Encontros na mesa de chá - Compartilhamento dos procedimentos criativos da obra:
Meus Mortos com Edu.O e Lucas Valentim (Salvador/BA)
Inscrições 33444109
Vagas Limitadas- Artistas e demais interessados
Valor: R$ 20,00

Domingo 02/10
16h-Abertura Loja Mundo Gira
16h30- Vídeo Documentário Figuras da Dança com Carlos Moraes
17h-Grupo de Pesquisa da UFRN- “Ouidah”
17h30- Companhia Gira Dança
18h-Odete Traga Meus Mortos - Edu.O e Lucas Valentim(BA)

Local: Espaço Cultural Gira Dança
Rua Frei Miguelinho, 100 . Ribeira . Natal/RN . Cep 59012-180 . Fone: 84 3344.4109
www.giradanca.com.br | e-mail: contato@giradanca.com.br

Release dos espetáculos do Palco Gira Dança- Outubro

Grupo de Pesquisa da UFRN- "OUIDAH"
Ouidah é o resultado artístico de um processo de criação coletiva. Teve como ponto de partida a pesquisa de
campo sobre a capoeira. Utilizando o “jogo” como procedimento metodológico, dados colhidos nas pesquisas
prática e teórica foram trabalhados em laboratórios de dança, desenvolvidos em exercícios de improvisação e
finalizados em composição coreográfica com enfoque no universo das tradições afro-brasileiras.

-Ficha Técnica
Direção: Profa. Dra. Lara Rodrigues Machado.
Elenco: Hikel Brauwn Ribeiro de Morais e Sílvia Rodrigues.
Pesquisa Musical : Grupo de Intérpretes.
Mixagem da trilha sonora: Sílvia Rodrigues.
Montagem de Luz: Hilca Honorato.
Operador de Luz: Hilca Honorato.
Cenário e Figurino: Grupo de Intérpretes.
Equipe de Apoio: Sara Andrade.

Edu.O e Lucas Valentim(Salvador/BA)-“Odete, traga meus mortos” Assim como nos passaportes, nossos corpos retornam de uma viagem carimbados de experiências que se mantêm e
determinam nossos olhares, sensações, percepções, a partir do acesso a territórios desconhecidos, principalmente aos
territórios internos que nos ressignificam.

O espetáculo Odete traga meus mortos é inspirado numa situação vivida por Edu O., numa viagem a França,
onde num almoço em casa de uma família tradicional, na hora do café, depois de todo ritual da refeição francesa, a
matriarca pede a empregada: “Odete, traga meus mortos!”. Incrédulo, com expressão, Edu foi informado que este
pedido tornou-se habitual daquela senhora que lê diariamente a parte de óbitos do jornal enquanto toma seu cafezinho.
Sua preocupação é saber se algum conhecido faleceu e observar a forma como foi escrito o obituário, sempre
discordando e dizendo que não quer o seu daquele jeito. Então começa a descrever como gostaria que divulgassem sua
morte, a foto que deve ser colocada, a roupa e como as pessoas devem agir no seu funeral.

Um fato aparentemente triste torna-se o momento mais engraçado do dia da família que passa a lembrar de
histórias da vida e de pessoas que passaram por ali. A morte perde a carga de sofrimento, cedendo espaço para
lembranças de vidas cheias de experiências, como são todas e cada uma das vidas humanas. Para aquela senhora, o
falecimento do outro possibilita a reflexão sobre sua própria existência, mesmo que este outro seja um desconhecido e
que sua história não tenha relação direta com a dela.

A partir desse fato, foi idealizado o projeto, parceria entre os coreógrafos/dançarinos Edu O. e Lucas Valentim.
O espetáculo foi construído em um processo colaborativo também na música, figurino, cenário e iluminação, refletindo
sobre os ritos de passagem, o partir, a ausência e a presença. O lugar do outro em nossas vidas, nossos mortos (pessoas
e situações passadas) marcando nossos corpos, sendo-nos. Tudo reverberando em nós até mesmo quando a memória não
esta sendo atualizada. A morte em Odete, traga meus mortos representa, portanto, as ausências de pessoas, lugares,
situações, objetos.

O espetáculo foi vencedor do Prêmio Festival Vivadança 2010. Ainda neste ano foi convidado a participar do 1º
Encontro de Dança Inclusiva. O que é isso?, Curta Dança as 6 no Pelô, selecionado para a Plataforma Internacional de
Dança. Em 2011 foi apresentado no Theatro XVIII, na programação do Repertório VAGAPARA e convidado a
participar do projeto Palco Gira Dança em Natal.

-Ficha Técnica
Intérpretes/Criadores: Edu O. e Lucas Valentim
Direção musical: SomdoRoque
Iluminação: Márcio Nonato
Produção e Figurino: Nei Lima

OFICINA
Sábado (01/10/11)
“Encontros na mesa de chá
Bate papo e oficina de criação
Compartilhamento dos procedimentos criativos da obra: Odete traga meus mortos.”
Carga horária: 4h

Ministrantes: Edu O. e Lucas Valentim
Participantes: Artistas e demais interessados (turma de 20 pessoas)

Ementa
O compartilhamento será distribuído em dois momentos. No primeiro serão abordadas questões que permeiam a
obra, como: relação entre texto e movimento numa composição de dança, construção de metáforas que poetizam o
discurso na cena, entre outros. Essa abordagem objetiva identificar, a partir das questões apresentadas, interesses em
comum com a turma, para que juntos determinem princípios de observação que nortearão a segunda etapa. Neste
segundo momento serão experienciados alguns procedimentos adotados pelos ministrantes no decorrer de suas criações.

Método
A oficina será cumprida através de discussões teóricas e práticas no ambiente de sala de ensaio. Serão adotados
procedimentos de criação que busquem potencializar ações compartilhadas e colaborativas.


SERVIÇO

Palco Gira Dança

Início: 16:00
Sábado 01/09- Oficina R$ 20,00

Domingo: Entrada Gratuita
Espaço Cultural Gira Dança : Rua Frei Miguelinho, 100 • Ribeira • Cep 59012-180 • Natal.RN
Fone: +55 84 3344.4109
e-mail: produção.giradanca@gmail.com / contato@giradanca.com.br / giracomunica@gmail.com
Site: www.giradanca.com.br
Blog: www.giradanca.blogspot.com

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Edu.O e Lucas Valentim(Salvador/BA)- apresenta “Odete, traga meus mortos”

foto: Gabriel Guerra

Assim como nos passaportes, nossos corpos retornam de uma viagem carimbados de experiências que se mantêm e determinam nossos olhares, sensações, percepções, a partir do acesso a territórios desconhecidos, principalmente aos territórios internos que nos ressignificam.
O espetáculo Odete traga meus mortos é inspirado numa situação vivida por Edu O., numa viagem a França, onde num almoço em casa de uma família tradicional, na hora do café, depois de todo ritual da refeição francesa, a matriarca pede a empregada: “Odete, traga meus mortos!”. Incrédulo, com expressão, Edu foi informado que este pedido tornou-se habitual daquela senhora que lê diariamente a parte de óbitos do jornal enquanto toma seu cafezinho. Sua preocupação é saber se algum conhecido faleceu e observar a forma como foi escrito o obituário, sempre discordando e dizendo que não quer o seu daquele jeito. Então começa a descrever como gostaria que divulgassem sua morte, a foto que deve ser colocada, a roupa e como as pessoas devem agir no seu funeral.
Um fato aparentemente triste torna-se o momento mais engraçado do dia da família que passa a lembrar de histórias da vida e de pessoas que passaram por ali. A morte perde a carga de sofrimento, cedendo espaço para lembranças de vidas cheias de experiências, como são todas e cada uma das vidas humanas. Para aquela senhora, o falecimento do outro possibilita a reflexão sobre sua própria existência, mesmo que este outro seja um desconhecido e que sua história não tenha relação direta com a dela.
A partir desse fato, foi idealizado o projeto, parceria entre os coreógrafos/dançarinos Edu O. e Lucas Valentim. O espetáculo foi construído em um processo colaborativo também na música, figurino, cenário e iluminação, refletindo sobre os ritos de passagem, o partir, a ausência e a presença. O lugar do outro em nossas vidas, nossos mortos (pessoas e situações passadas) marcando nossos corpos, sendo-nos. Tudo reverberando em nós até mesmo quando a memória não esta sendo atualizada. A morte em Odete, traga meus mortos representa, portanto, as ausências de pessoas, lugares, situações, objetos.
O espetáculo foi vencedor do Prêmio Festival Vivadança 2010. Ainda neste ano foi convidado a participar do 1º Encontro de Dança Inclusiva. O que é isso?, Curta Dança as 6 no Pelô, selecionado para a Plataforma Internacional de Dança. Em 2011 foi apresentado no Theatro XVIII, na programação do Repertório VAGAPARA e convidado a participar do projeto Palco Gira Dança em Natal.

-Ficha Técnica
Intérpretes/Criadores: Edu O. e Lucas Valentim
Direção musical: SomdoRoque
Iluminação: Márcio Nonato
Produção e Figurino: Nei Lima

OFICINA
Sábado (01/10/11)
“Encontros na mesa de chá
Bate papo e oficina de criação
Compartilhamento dos procedimentos criativos da obra: Odete traga meus mortos.”
Carga horária: 4h

Ministrantes: Edu O. e Lucas Valentim
Participantes: Artistas e demais interessados (turma de 20 pessoas)

Ementa
O compartilhamento será distribuído em dois momentos. No primeiro serão abordadas questões que permeiam a obra, como: relação entre texto e movimento numa composição de dança, construção de metáforas que poetizam o discurso na cena, entre outros. Essa abordagem objetiva identificar, a partir das questões apresentadas, interesses em comum com a turma, para que juntos determinem princípios de observação que nortearão a segunda etapa. Neste segundo momento serão experienciados alguns procedimentos adotados pelos ministrantes no decorrer de suas criações.

Método
A oficina será cumprida através de discussões teóricas e práticas no ambiente de sala de ensaio. Serão adotados procedimentos de criação que busquem potencializar ações compartilhadas e colaborativas.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Cobertura: 6ª Etapa do Circuito Cultural Ribeira



Cobertura da 6ª etapa do Circuito Cultural Ribeira, edição dedicada a Dança. Produção dosol Image e edição de ana Morena Tavares.

O Circuito Cultural Ribeira tem o patrocínio do Conexão Vivo.

Categoria:

Palavras-chave:

Licença:

Licença padrão do YouTube